Templates by BIGtheme NET

“Pantanal Alagoano” recebe mais um repovoamento com espécies nativas do São Francisco


 

O “Pantanal Alagoano” voltou a ser repovoado por espécies de peixes nativos nesta quinta-feira (13), em mais um peixamento realizado pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) na várzea da Marituba do Peixe, um importante berçário de espécies nativas da bacia hidrográfica do rio São Francisco em Alagoas. O peixamento foi realizado no Porto de Nossa Senhora, localizado em uma das lagoas marginais da várzea, no povoado Pontes, município de Feliz Deserto, e deve beneficiar diretamente a comunidade de agricultores e pescadores artesanais.

José da Silva é um dos pescadores artesanais beneficiados com o peixamento e também preside a Associação de Criadores de Peixes e Agricultores do Povoado Pontes, instituição que solicitou a realização do repovoamento. A associação é formada por 107 membros, que se dividem entre a pesca, a criação de peixes em viveiros escavados e a agricultura.

“Nós vimos que a quantidade de peixes na lagoa estava bem baixa e decidimos pedir à Codevasf para realizar esse peixamento. Hoje os peixes chegaram e somente temos a agradecer, pois temos a garantia de ter o que colocar no prato da família. Sou pescador e temos que ter o alimento de nossos filhos. Muitos dos povoados aqui do ‘Pantanal Alagoano” também serão beneficiados, como o Riacho do Pedro, Marcação e Murici”, comemorou.

Ele sugeriu que as associações desses povoados também trabalhem em parceria com a Codevasf para repovoar outros trechos de lagoas marginais da várzea da Marituba do Peixe. “Todas essas associações da região também devem pedir o peixamento à Codevasf. Se pensarmos assim, será mais fartura em nossa mesa”, defendeu Silva. Ele lembrou que esse foi o terceiro peixamento realizado nos últimos anos pela Codevasf somente no trecho da “Pantanal Alagoano” situado no povoado Pontes.

Os peixes utilizados no repovoamento foram produzidos no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba (Ceraqua São Francisco), centro tecnológico da Codevasf em Porto Real do Colégio (AL). Segundo o chefe da unidade, o engenheiro de pesca Álvaro Albuquerque, foram inseridos no “Pantanal Alagoano” peixes juvenis e alevinos das espécies curimatã, conhecidos no Baixo São Francisco como xira, matrinchã, cari e pacamã. “Projetamos que, em cerca de oito meses, algumas espécies como a matrinchã já devam ter atingido o tamanho ideal para pesca”, afirmou.

O engenheiro de pesca da Codevasf ainda destacou para a população que acompanhava o peixamento o objetivo da ação e pediu o compromisso da comunidade para que não pesquem os animais ainda na fase de crescimento. “Essa é uma ação de revitalização do rio São Francisco que precisa da participação de todos vocês para que tenha sucesso. Ainda que façamos vários peixamentos, se os peixes colocados aqui não puderem atingir seu tamanho ideal para serem consumidos, não teremos sucesso. Assim peço que todos tenham consciência e protejam esses alevinos e peixes juvenis para que no futuro possam ser consumidos por todos”, alertou.

Para Reginaldo Santos, conhecido como Gil do Pontes, que participou do peixamento, a participação da comunidade do povoado será essencial para o aumento da população de peixes no “Pantanal Alagoano”.

“Peço a todos que moram aqui no Pontes que não pesquem esses peixes, pelo menos por enquanto. Temos que dar condições para que esses peixes cresçam e possam alimentar mais pessoas. Se você pesca um peixe que ainda não cresceu, isso é um desperdício, pois ele somente irá alimentar uma pessoa. Já o peixe grande, poderá servir de alimento para toda a família. Temos que pensar no futuro, pois esse será nosso alimento amanhã. Se a população pescar esses peixes agora, quem sofrerá somos nós mesmos que dependemos da pesca aqui”, afirmou enquanto conversava com a população que acompanhava o peixamento.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca de Feliz Deserto, Emanuel Lessa, também destacou os resultados do peixamento para a segurança alimentar da população e para revitalização ambiental do “Pantanal Alagoano”.

“Os peixamentos realizados pela Codevasf são de importância fundamental para a comunidade local, em especial para aqueles que têm na pesca uma alterativa de renda. Esse é o terceiro peixamento neste trecho do povoado Pontes e pudemos verificar neste período um aumento na população de peixes na região. Hoje não se passa mais vários dias para se pescar apenas um peixe. No primeiro dia de pesca, já se pega peixes suficientes para alimentação da família e comercialização do excedente. Então esses peixamentos facilitam a vida do pescador e recompõem a fauna da região”, disse.

 

Bruno Santos

 Jornalista Mte 759/AL

Assessoria Regional de Comunicação e Marketing – CODEVASF – Penedo/AL

(82) 8849-2090/ 3551-2795

bruno.silva@codevasf.gov.br

 

Repovoamento fortalece segunaça alimentar e pesca artesanal no Pantanal AlagoanoPopulação do povoado Pontes participou do peixamento

Peixamento da Codevasf inseriu peixes nativos no Pantanal Alagoano

 

 


Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com